Para já, a paternidade é um bocado seca…

Jul 5, 2019 | NOT SO SECRET me

Para ser sincero, estou um bocado desiludido com isto de ser pai.

Andava há uns anos valentes a querer “viver a experiência de ser abençoado com uma criança”, mas a verdade é que isto não é tão interessante como publicitam. Pelo menos na primeira semana.

Ser pai, até agora, é como ir a uma exposição de arte que só tem um quadro. A gente está ali, a olhar para a rapariga a dormir… muitas horas… e é isto ! Espero que tenham gostado. 

 

 ……….

 

Toda a experiência de ver chegar a Emma foi uma delicadamente surreal.

 

A VÉSPERA

Começou logo na noite da véspera. Para quem esteve meses a ouvir as piadinhas do tipo “aproveita agora para dormir, depois acabou-se”, ter dormido apenas 2h não foi a primeira decisão paternal mais refletida. Mas quem é que diz que eu conseguia dormir ?! Então vinha aí um ser humano pelo qual eu sou responsável?! Passei a noite toda a perguntar-me quem raio é que teve esta ideia brilhante de deixar à minha responsabilidade a vida de um bebé. Isto é coisas da Patrícia, só pode…

 

A PREPARAÇÃO

Bom, de manhã fomos para o hospital e devo desde já dizer que, quando a coisa tem hora marcada, aquela excitação do “é agora” é substituída por coisas que não lembram ao diabo, tipo “a que horas tenho de sair de casa para ir ter um filho sem apanhar trânsito na ponte?”, ou “qual é o parque mais barato para deixar o carro? ”

Quando chegámos, dirigimo-nos à receção – tipo check in – e depois vieram buscar-nos para nos levarem ao quarto.

Chegada a hora, levam a mãe da criança numa confortável caminha com rodas. Eu, vou a pé, se quiser. Levam-me até aos vestiários onde estão as roupas que devo colocar para poder “assistir ao parto”. Pedem-me para me vestir e para esperar cá fora.

Equipado a rigor, com um toquezinho de Grey’s Anatomy, à espera numa linha amarela onde me mandaram ficar, ocorre-se-me uma pergunta importantíssima : “qual é o lado da máscara que fica virado para a boca ?!”.

Depois de vários minutos – que mais pareceram uma eternidade – a pensar naquilo, ouvi “o pai já pode vir” e lá coloquei a máscara na boca à balda, como de costume.

 

O PARTO

Quando entrei no bloco, um senhor com ar simpático (até abrir a boca) disse-me : “O pai agora senta-se aqui, com uma perna aqui e outra aqui, esta mão dá à mãe, esta fica ali e agora não se mexe daí !”

E lá fiquei, tipo estátua, só mexia os olhos, que olhavam cheios de ternura para a Patrícia que, por sua vez, estava “pedrada” como nunca a tinha visto. De tal maneira que a meio da intervenção, uma médica a puxar de um lado, outra a puxar do outro, etc., a Patrícia pergunta-me : “Achas que já começaram ?” – E eu pensei : “bom, pelo menos não sente nada”.

A uma dada altura, estava eu a dar conversa à Patrícia a 10cm da cara dela, porque tinha medo que o outro senhor me batesse se desviasse o olhar, ouço a médica – que este todo o tempo a falar com a equipa – a dizer : “Olá! Bom dia! Bem-vinda!”. Eu disse à Patrícia : “Acho que entrou mais uma médica no bloco.”

Depois a miúda começou a chorar e eu compreendi a que ponto o meu instinto paternal ainda não tinha chegado !

Mostram-nos a Emma e dizem-me : “O pai agora sai do bloco mas não olha para trás para a mãe.”. Achavam, certamente, que eu teria vontade de ver a “beleza interior” da Patrícia. Nah, em princípio não.

 

 ……….

 

E, desde esse momento, tem sido muito disto. Ela dorme, nós olhamos. Ela mexe um dedo : “olha, mexeu um dedinho”.
Lá está! É como visitar uma exposição que tem apenas um quadro no centro da sala para o qual somos obrigados a olhar durante horas seguidas… sempre !
E sempre que não estamos a olhar, vem um funcionário do centro de exposições dizer : “Ninguém está a olhar para o quadro! O quadro não pode estar ali sem ninguém a olhar para ele.”. E lá vai alguém olhar para o quadro. Não vá ele fartar-se de estar sozinho a dormir.
Ah, e fazemos a manutenção do quadro também.
“O quadro já foi limpo? Quem é que limpa o pó ao quadro?”

 

Pronto! Ser pai é isto. Ter um quadro em casa para onde se tem de olhar 24h/24h!
Se procuram entusiasmo nas vossas vidas, não vão por aqui. Vão antes à bola que é mais giro.

OUTRAS COISAS QUE TENHO DITO

Como se cria uma pessoa racista?

Como se cria uma pessoa racista?

Como se cria uma pessoa racista? - Nota introdutória Acerca deste texto sobre como se cria uma pessoa racista, é importante esclarecer desde já que este artigo só pode ser lido por criaturas que consigam distinguir conceitos como compreender, aceitar, concordar, etc....

Coisas que aprendi depois de 10 dias sem telefone

Coisas que aprendi depois de 10 dias sem telefone

Como são capazes de ter visto nas redes sociais, espatifei o vidro do meu iPhone. (gosto de dirigir-me no plural, como se houvesse mesmo mais do que uma pessoa a ler isto e que essa pessoa não fosse eu...) Nada de entusiasmante, como tudo aquilo que me acontece....

As coisas importantes da vida acontecem num segundo

As coisas importantes da vida acontecem num segundo

As coisas importantes da vida acontecem num segundo! Sempre tive esta convicção, que está intimamente ligada à 4ª dimensão: o tempo. Cada segundo é um acontecimento completamente diferente do anterior e do seguinte, e por isso torna-se em algo isolado. O que faz com...